Santa’.ser.

Santa sentou-se sozinha para lavar-se. Ardia, pinicava, ascendia. Santa estava logo em chamas. Suas labaredas respingavam livres e pelantes. Santa sentia a enxurrada que invadia sua vagina correndo com violência para dentro do santuário dela. Suas profundidades, suas entranhas. Seu centro ligado à ancestrais que orquestram de algum lugar, qualquer lugar, os tremores duros que […]